Demanda de lubrificantes nos EUA pode chegar a 9 milhões de metros cúbicos em 2020.
 Imprimir     Indicar para amigo


Estudo projeta expansão da demanda de lubrificantes nos EUA para cerca de 9 milhões de metros cúbicos em 2020, após um período de crescimento modesto entre 2010 e 2015. A perspectiva econômica positiva irá beneficiar esse avanço, com os aumentos da produção industrial e da atividade comercial norte-americana, compensando a adoção de lubrificantes de alto desempenho com intervalos de troca mais longos.

O estudo do grupo Freedonia, com sede em Ohio, Cleveland, aponta ainda que os óleos de processo e os fluidos de usinagem, que são usados principalmente na fabricação industrial, serão as categorias de produtos previstas para ter o mais rápido crescimento, no entanto, mesmo para elas a expansão será modesta. A regulamentação governamental e a demanda dos consumidores por produtos "verdes" deverão concentrar o crescimento nos óleos rerrefinados e de base biológica.

Segundo Minor Cline, analista do Freedonia, , os fluidos de transmissão, os óleos de engrenagens, e os óleos de motor serão os mais afetados pelos maiores intervalos de drenagem associados à melhoria na tecnologia de fluidos. “A alteração de um lubrificante de base convencional para um produto sintético premium pode potencialmente dobrar os intervalos entre as trocas, dependendo da aplicação. Os sintéticos terão um crescimento significativamente mais rápido do que os produtos de petróleo convencionais, sobre os quais as pressões de desempenho são mais fortes”, disse ele.

Embora sejam atraentes como alternativas ambientalmente conscientes, as regulamentações governamentais e os incentivos econômicos para a compra de óleos de base biológica e rerrefinados serão a chave para essa expansão de mercado. “Os baixos preços do petróleo alteraram a previsão de curto prazo para esses produtos, devido à dificuldade de competir em preços com os produtos de base mineral. No entanto, as perspectivas de longo prazo mantém-se inalterada: o crescimento de produtos de base biológica e rerrefinados irão acelerar, quando os preços do petróleo começarem a sua recuperação gradual”, completou Cline.

Fonte: F+L Asia